Danae Stratou em Cerveira: “A minha arte reage à vida e ao contexto”

IMG_4147

A artista grega, Danae Stratou, apresentou, esta quarta-feira à tarde, no Fórum Cultural, os dois projetos em suporte digital que vai expor durante a XVIII Bienal de Cerveira: “Vital Spaces” e “The Globalizing Wall- Cut 7 Dividing Lines”, com textos de Yanis Varoufakis, o ministro grego das Finanças. Danae Stratou ficou hospedada no Hotel Minho.

A Conferência Internacional de Arte Contemporânea e Museologia, organizada pela Fundação Bienal de Cerveira, visou aprofundar a musealização de obras virtuais em suportes digitais, nas suas várias abordagens. A sessão iniciou com Aurora Viães, vereadora do Município cerveirense, e a Drª. Anabela Tavares da CCDR-N. Aproveitando o momento para felicitar o trabalho, a presença da artista na ‘Vila das Artes’ e o seu contributo para a XVIII Bienal, a Vereadora Aurora Viães sublinhou a importância da produção artística acompanhar a evolução dos tempos, e a musealização das mesmas ser um fator relevante, pois garante a preservação da contemporaneidade artística. Aurora Viães exemplificou esta posição com o papel determinante do Museu Bienal de Cerveira, enquanto “elemento fundamental para a perceção e preservação da história da Bienal, de Cerveira como ‘Vila das Artes’, e das estórias das bienais. É assim que se mantém vivo o património e valor da Fundação para as gerações futuras”.

Com moderação da artista portuguesa Margarida Leão, o encontro começou com a visão da crítica de arte Fátima Lambert em torno das construções e desconstruções que podem ser feitas com os materiais digitais, salientando as diferentes experiências sensoriais que as obras digitais e não digitais podem transmitir ao observador. A oradora alertou ainda que, apesar de haver um acesso mais cómodo/fácil e mais económico à informação e à obra de arte em si, este acarreta também uma maior responsabilidade por parte do utilizador na seleção e interpretação dos conteúdos e suportes de consulta.

IMG_4036
Seguidamente, Danae Stratou apresentou as duas obras que vai dar a conhecer durante os dois meses da Bienal de Cerveira. A primeira, “Vital Spaces” que decorre em Istambul, aborda a ordem e desordem de megacidades com milhões de pessoas, através do registo do contraste entre o formigueiro da multidão filmada à escala real e as imagens captadas por um helicóptero. O segundo projeto, “The Globalizing Wall – Cut 7 Diving Lines”, relata uma viagem de Danae Stratou com Yanis Varoufakis por sete zonas de conflito, resultando num documentário apresentado em vídeo que, através de uma janela de comboio, provoca no público a sensação de estar realizar essa viagem.

Dedicada recentemente a projetos que versam problemas da atualidade – globalização, divisões entre países…, Danae Stratou foi questionada pelo público e jornalistas presentes sobre a conotação política que, alegadamente, pretende transmitir, ao que respondeu assertivamente: “Os meus trabalhos fazem parte de um percurso de 20 anos, é natural que esteja mais madura, mais interventiva, mais contagiada pelo contexto difícil em que vivemos”. E continuou: “Os artistas vivem em sociedade, por isso expressam o que se passa e o que se vive”.

A artista grega falou ainda da sua longa carreira como artista conhecida pelo contacto com a natureza, relembrando vários trabalhos, entre eles o “Desert Breath”, uma instalação de grande dimensão no deserto do Egito, ao longo de 9 meses.

Depois de dois dias a apresentar e organizar os dois projetos que vai expor na Bienal, Danae Stratou regressa para a inauguração do certame, a 18 de julho.

Vídeos da artista – http://www.danaestratou.com/site/videos/works/

 

Texto: Gabinete Comunicação Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone
Publicado em Notícias